quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Estilo Luís XIII













O Estilo do Monarca Francês Luís XIII

O estilo Luís XIII durou do fim do século XVI até a subida de Luís XIV ao trono.

No inicio sofrendo as influências de estilo renascentista italiano, o estilo Luís XIII aparece com um aspecto pesado e redundante, reflete grandiosidade e excesso de ornamentos (influência do Barroco).





Os modelos hispano-flamengos e italianos dividiram a preferência dos decoradores da época e de seus clientes (príncipes, nobres e burgueses ricos). As paredes eram cobertas com pinturas enquadradas por estuques dourados, tapeçarias ou couro, com desenhos impressos, pintados e dourados. Embora já não houvesse tantos artistas italianos trabalhando na França, a Itália é ainda considerada grande inspiradora na arquitetura e na pintura e, além disso, haviam certos artigos tidos como especialidades italianas que os nobres faziam questão de possuir, tais como os espelhos de Veneza, veludos de Gênova e sedas de Milão. Os flamengos, principalmente pintores, gravadores e arquitetos, exerceram grande influência em toda a arte dessa época, sendo considerados os criadores da indústria de tapeçaria na França.

Já no final do reinado de Luís XIII, há uma redução gradual da influência estrangeira, tornando-se a arte mais grandiosa, elegante, suntuosa.

Os móveis mais usados eram: cabinetes, armário, cama, mesa e cadeira.
As cadeiras tornam-se mais numerosas, tendo os pés ligados por uma travessa e apoio para os braços em forma de osso de carneiro a estrutura é em geral quadrada,usa-se o estofamento fixo por tachas e terminado por uma franja que era moda também nas cortinas,há também grande variedades de cadeiras e banquinhos em X, a arca continua presente no mobiliário.







O quarto era a principal peça da residência, a cama continuava encostada à parede, com quatro colunas em madeiras torneadas, ornadas de cortinas ou recoberta por ricos tecidos sustentando o dossel, conhecidas pelo nome de leito en housse (com cobertura, substituído por volta de 1645 pela alcova fechada com uma balaustrada), havia também as poltronas, cadeiras, genuflexórios e tamboretes guarnecidos de tecido, com pés torneados em círculo ou em espiral.

O grande móvel foi o cabinet ou gabinetes (“buffets” menores, onde a parte superior repousa sobre um conjunto de pequenas colunas) um móvel com vários compartimentos para objetos preciosos; era feito de ébano ou em madeira enegrecida, sendo freqüentemente importado de Flandres, e tinha batentes ricamente esculpidos em baixo-relevo, sustentado por cariátides, mísulas ou balaústres. A escrivaninha, vinda da Itália, também apareceu nesse período e surgiu o armário de tamanho menor que por suas proporções prenunciavam o advento do estilo Luís XIV.
















A mesa era em madeira natural, carvalho ou nogueira, algumas vezes em ébano com incrustações em marfim ou em osso. Era comum cobrirem as mesas com um tapete, prendendo-os nas extremidades com nós de fitas.


Sendo assim observamos que a principal característica do estilo Luís XIII era a madeira torneada que compunham os pés dos móveis como as travessas das mesas e cadeiras, as laterais dos buffets e até os balaustres das escadas.




















































































































2 comentários:

Marcos disse...

Oi Sylvana! Tudo bem?
Gostei muito de seus artigos a respeito de história do mobiliário.
Meus Parabéns! o conteúdo de informação é enorme e muito bacana.

Um grande abraço

Marcos

www.interioresdesign.wordpress.com

Luciana e Charles disse...

Olá Sylvana, eu sou estudande de Design de Interiores e estava fazendo uma pesquesia, e adorei as suas fotos sobre o mobiliario de Luis XIII, porém tem que tomar um pouco de cuidado, pois há mobiliarios ai que não são do Luis XIII, Luis XIII, apenas travamento em H ok...
até mais